O Abraço Íntimo da Vida e da Morte

Queridos leitores e queridas leitoras, convido-vos a entrar numa dimensão feminina, onde os ciclos da natureza se apresentam bem claros no corpo da mulher, e onde percebemos que a vida e a morte estão numa dança íntima, muito fina e subtil. Escrever este texto foi parte do meu processo de cura, e também faz parte da minha missão de trazer a luz com naturalidade, aceitação e amor, processos que ainda se consideram “tabu” tal como a sexualidade e a morte.


Os Anciãos dizem que, como mulheres, somos os guardiões do ciclo Vida-Morte-Renascimento. Uma maneira pela qual isso se manifesta em nós é no nosso ciclo menstrual, outra é durante a gravidez e o nascimento.


E pensei que realmente compreendia esse ciclo, até o ano passado, quando o vivenciei completamente com todas as células do meu corpo e todos os cantos do meu espírito.



No verão de 2017, engravidamos. Como era uma gravidez desejada, a alegria da notícia espalhou-se rapidamente para nossas famílias, amigos e nossa tribo. Foi um momento de me descobrir numa dimensão totalmente diferente. A vida estava crescendo no meu ventre e, ao mesmo tempo, eu estava experimentando todas essas novas sensações. O corpo, estava ganhando força em suas funções primordiais: minha fome era intensa, meu cheiro mais sensível, meus sonhos mais claros, meus seios com dor se preparando para nutrir, meus movimentos mais lentos, meu sono mais necessário e a consciência poderosa em minha pélvis mais e mais presente.


Às vezes eu sentia-me como se estivesse deixando um sonho, sabendo que tudo o que sabia em breve mudaria.


E isso mudou. Uma volta de 180 graus numa fração de segundos. Enquanto ouvia o médico do hospital no serviço de urgência dizendo-me que não havia batimentos cardíacos, e o futuro bebe, que eu carregava no meu ventre, parou de se desenvolver há algumas semanas. Respirei ... apenas respirei ... sangue frio no meu corpo enquanto eu continuava a ouvir que não me deveria culpar, que não fiz nada de errado, que é apenas a mãe natureza fazendo o trabalho dela, evitando possíveis malformações. Uma experiência comum e normal, principalmente na primeira gravidez. Perguntei sobre os próximos passos e saí do consultório, sem saber como diria isto ao meu marido, que estava me esperando no final do corredor.


A mudança que eu esperava incluía uma nova vida. E agora eu estava neste abraço íntimo com a morte. Era como um sonho em que nada mais faz sentido e de alguma forma eu não estava acordando.


O que se seguiu foram os momentos mais difíceis que eu vivi até então, integrando as notícias, me adaptando a uma nova realidade e, além de lidar com a minha própria dor e com a nossa dor comum como casal, senti que precisava entregar essa dor a outras pessoas. e lidar com a dor da família, sabendo que não sou responsável por sua dor, mas capaz de sentir o que eles estão sentindo. Foi avassalador.



E em toda essa confusão tive um momento de muita clareza.


Internamente, senti que estava numa encruzilhada. Uma direção estava apontando para a depressão. Parecia pesado, escuro e de alguma forma confortável e fácil de cair nela. E a outra direção apontava para um Grande Aprendizado. A dor ainda fazia parte desse caminho, mas disfarçada de professora, dizendo-me que esta foi a melhor coisa que poderia ter acontecido.


Era como se eu fosse instantaneamente confrontada com todo o sistema de crenças que desenvolvi através do meu desenvolvimento pessoal e espiritual: - Eu tenho o poder de escolha.

- Eu escolho como vejo as coisas.

- Escolho a perspetiva que dou e o significado do que acontece na minha vida.

- Eu crio minha própria realidade

- Rendo-me ao desconhecido

- Confio que eu posso me desenrascar

- Tudo pode ser uma bela lição

- Culpa não vai ajudar, confio que fiz o meu melhor


E eu sabia qual o caminho a seguir, sabia que sou responsável por tomar essa decisão, endireitei as costas e disse ao meu marido que me levasse para fora de casa, precisava de ar, espaço, movimento. A escolha foi feita, eu deixaria a dor ser minha professora, aceitaria radicalmente o meu guia e confiaria no poder mágico que transformava tudo isso na melhor coisa que poderia ter acontecido.


Ainda assim, com tudo isso, o medo estava presente, pois eu não fazia a minha ideia de como fazer um aborto e sabia que não queria nenhum medicamento ou intervenção cirúrgica, e esperava que isso acontecesse naturalmente.


E fez. Senti que meu corpo estava apenas esperando que a minha mente recebesse as notícias, para que pudesse começar o seu trabalho magnífico. No final da tarde, as contrações começaram a ser sentidas na minha pélvis. Eu estava sentindo que minha menstruação chegaria, então esperei e escutei meu corpo pacientemente.


Como não consegui dormir, dei um beijo de boa noite no meu marido, peguei na minha agenda, acendi uma vela, respirei e passei por entre as cãibras. O tempo tomou uma perspetiva diferente, e as cãibras se transformavam em contrações regulares, a pequena bolha de água (bolsa) rebentou e o sangue começou a fluir.


Eu estava num estado sobrenatural, sem emoção, apenas super-consciente e focado, ouvindo o que meu corpo precisava para completar esta missão, respirando, andando, agachado, escrevendo.


Aqui estão alguns trechos do texto que escrevi naquela noite

“Hoje à noite vou dar à luz o meu futuro bebe morto. Hoje à noite vou aprender a realmente deixar ir o velho, as partes mortas de mim para criar espaço para o novo.”


“Esta agenda começou com um sonho sobre um bebe ... e agora ... nesse processo, tenho que me lembrar que a vida é um sonho, que não sou essa dor, não sou o que acontece comigo e que tudo está bem no o universo"


"Meu corpo é um milagreiro"


E foi assim que, durante horas, contei e respirei contrações, escrevi as minhas próprias reflexões, conversei com 2 amigas do coração que estavam enviando luz e amor do Peru e do Brasil e me rendi à minha própria sabedoria do corpo.


Pedaços saíram do meu ventre diretamente para a terra, e todos foram muito cantados, e infundidos com intenções de deixar de lado julgamentos, culpas, dores que eu pudesse segurar em relação à minha gravidez, e eles foram tão abençoados com luz, amor e confiança no grande mistério que chamamos de vida. A lua minguante e balsâmica se levantou de manhã, como uma testemunha gentil do meu processo, dizendo que está quase terminando. O sol da manhã me encontrou dormindo no sofá, com velas ainda acesas e despertando com o toque suave do meu marido. Eu sorri e disse-lhe que tudo passou. Eu estava sentindo-me como se tivesse acabado de fazer um curso sobre o que significa dar à luz, e tudo terminou bem, eu havia passado no exame.


Os dias seguintes passaram cheios de visões de gratidão pelos últimos meses da minha vida, e com momentos de verdadeiro apoio e profunda compaixão, enquanto eu espalhava as notícias para minha tribo. E de toda vez que eu ouvia "eu também", "eu sei o que isso significa", "eu também passei por isso", partes de mim estavam-se curando. Outra lição veio. Falar sobre isso, deixar-me segurar por outras mulheres ajuda na cura, fortalece a tribo, a irmandade, permite que outras pessoas estejam presentes para a nossa dor, não multiplica a dor, na verdade ajuda na cura. Eu sabia profundamente que não estava sozinho nisso, e este não é o fim do meu mundo, é apenas o começo de algo novo.


Foi quando eu também senti um profundo sentido de serviço, de poder agora ocupar espaço para outras mulheres que estão passando ou passaram por essa experiência dolorosa, e eu aceitei com gratidão essa experiência como uma pérola brilhante do meu caminho.


Obrigado por ler, por continuar comigo até o fim. Eu sei que é uma conversa sensível e uma escrita bruta. É o melhor que eu poderia ter feito para expressar a minha verdade e fazer justiça a estas 24 horas da minha vida.


Se você deseja ter uma conversa, ou se você conhece uma mulher que pode beneficiar dessa leitura, compartilhe-a. Chega de sofrer em silêncio. Com gratidão, Amália

83 visualizações0 comentário