Suicídio - criação de um ritual

Os comportamentos suicidas constituem um flagelo da nossa sociedade contemporânea. Deixar este assunto debaixo do tapete não é mais a solução. Tantas pessoas vivem uma mentira camuflada de sorrisos, negando as suas emoções, negando a dificuldade que têm em sentir tanto. Vivem na vergonha porque sentem demais, porque não querem preocupar os outros, porque não querem magoar os outros, porque têm medo de ser rejeitados, porque é obrigatório viver sempre a sorrir, porque têm tudo para ser felizes.

Acredito que apenas manifestando e observando as nossas dores as podemos acolher e acolhermo-nos uns aos outros. Chega de negar e esconder algo que existe. Que é humano.


A cura só pode acontecer pela aceitação e libertação das nossas emoções e acolhimento da totalidade do que somos. Sem culpa.

É fundamental aprendermos a sentir para podermos acolher o sentir uns dos outros.

Na maioria dos casos, a pessoa, acredito, escolheria outra forma de solucionar a sua dor, o seu sofrimento, os seus problemas. A intenção é geralmente parar a dor e não por termo à vida.

Porque é que isto aconteceu? Como é que eu não percebi nada? Será que pode acontecer de novo com a minha família?” São as questões mais comuns entre quem acaba de perder uma pessoa querida para o suicídio.

“É um luto intenso, duradouro, repleto de porquês e com muita estigma.”

O preconceito da religião e espiritualidade pode decapitar a manifestação daquilo que sentimos. Mesmo que não tenhamos nenhuma prática específica, as nossas células memória, trazem em si estas marcas. A sociedade também assim o dita.

Independentemente das suas crenças, a doula acolhe o outro naquilo que ele é, sem julgar e com compaixão.

O que podemos fazer quando alguém que amamos partiu através do suicídio?

Esta é uma sugestão de ritual que nos pode ajudar a caminhar a dor do luto.


Ritual

Podes fazer este ritual sozinho ou com mais pessoas e cada uma ajudar e participar na realização do mesmo.

Fazemos um círculo que representa o éter, o Amor incondicional, o todo, a pessoa que partiu. Podemos colocar uma fotografia da pessoa no centro do circulo, um papel com o seu nome, um objeto que a represente.

À volta do círculo chamamos as 4 direções: norte, sul, este e oeste, que também representam os 4 elementos (ar, água, fogo, terra). Também podemos usar objetos, símbolos que os representem e embelezar o espaço (que idealmente deverá ser feito na natureza).

Usamos flores que iremos lançar em todas as direções à medida que formos lendo o texto:

Que os elementos da natureza apoiem a travessia da tua alma na sua nova jornada e a ajudem a voltar a Casa em Amor. Que os teus passos toquem as flores e o seu perfume independentemente da direção que escolhas. Amamos-te incondicionalmente em todas as escolhas que faças. Não estás sozinho.

AR

Que o ar te traga a leveza, a poesia, o sonho dos pássaros. Que te lembre da visão para além da matéria, do corpo. Que te lembres sempre do amor que ele tem por ti desde o primeiro respirar. Desde o momento em que ele irrompe o teu corpo e te enche de vida. Lembra-te que agora és ar também.

Que ele te traga leveza, poesia, arte de ser sonho e imaginação.

Que ele te lembre que nunca estás só. Que estamos constantemente a interagir com o mundo que existe à nossa volta através do ar e de todas as partículas que nele existem. Inspiramos todas as pessoas, animais, plantas, todos os seres vivos humanos e não humanos através da inspiração. Transformamos o ar dentro de nós e devolvemo-lo, uma parte de nós, aos outros.

Nunca estamos sós.

Estamos contigo. Não estás sozinho.

TERRA


Que o teu corpo, que agora pertence à Terra Mãe, nunca se esqueça que as suas células são feitas das células da Terra, das estrelas, das constelações, do universo.

És feito da idade da Terra.

Lembra-te que o teu corpo é impermanente, tal como a Terra e que esta impermanência e transformação se chama de Amor. Que os teus processos de transformação sejam sempre feitos com consciência e em Amor.

Não estás sozinho. Estamos contigo.

O teu corpo foi amado, abraçado, tocado, sentido, respeitado, como um templo sagrado que foi e será relembrado assim mesmo. Para o lembrar iremos amar, abraçar e cuidar da Terra Mãe como se fosse o teu próprio corpo.

FOGO

A tua vida, mesmo invisível agora, é uma chama viva de Amor.

Que a tua caminhada seja nutrida e embalada pela chama calma e tranquila do Amor incondicional que és.

Que a energia, da vida que te gerou, e que agora devolveste ao todo, continue a ser plenamente vivida e sentida em Amor por ti.

Acendemos esta vela (ou um fogo maior se assim o sentirem) relembrando que tudo é transformação e impermanência. E mesmo que agora não te consigamos ver e sentir a tua pele, estás connosco, e nós contigo, na permanência do Amor.

ÁGUA

Que a água te lembre que nunca estás só e que te ajude a fluir no mar das emoções com serenidade, amor e aceitação.

Que a água em dias de tempestade te lembre que também tu podes ficar triste, zangado, furioso, irritado, inquieto, com dúvidas, sem rumo. E que és acolhido, amado, abraçado e nunca estás só.

Mesmo na dor, que sentimos, da tua escolha, acolhemos quem és e iremos continuar a amar-te.

Foste aquilo que vieste ser e pedimos-te que nos ajudes a crescer contigo nesta dor e a expandir o Amor. Que os elementos da natureza nos apoiem nesta nossa jornada e nos ajudem a aprender a expandi-lo.

123 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Gratidão